Status da colheita do algodão e dicas para melhor qualidade das fibras

Artigos

5 Agosto 2022

Status da colheita do algodão e dicas para melhor qualidade das fibras

O algodão é uma cultura de destaque em vários países ao redor do mundo, dentre eles, o Brasil. Somos o quinto país em área plantada, segundo a ABRAPA – Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (2022), com 1.579.000 hectares.

E não é somente quanto à área que o Brasil se apresenta entre os maiores. Na safra 2020/21, em produção, conseguimos a 4ª colocação, com 2.355,70 milhões de toneladas de algodão produzidas. Além disso, estamos também entre os maiores exportadores mundiais.

Para a safra atual, a produção de algodão foi estimada 2,82 milhões de toneladas pela ABRAPA e pelas associações estaduais em março deste ano, o que representa um aumento de 19,5% em relação à safra 2020/21. Este valor deve ser atualizado pelas associações no mês de julho e se justifica pelo aumento de área cultivada com algodão na safra 2021/22.

Figura 1. Colheita da safra 2021/22 de algodão sendo iniciada. Fonte: Elevagro.

De acordo com dados da ABAPA – Associação Baiana dos Produtores de Algodão, desde a metade de maio, é possível observar os cotonicultores baianos iniciando a colheita da safra 2021/22, que deve tomar maior ritmo ao final do mesmo mês. A região, que tem pouco mais de 300 mil hectares de algodão, prevê uma redução de 10% em produtividade, devido à ocorrência desigual das chuvas nessa safra, com excesso na semeadura e falta nos meses de fevereiro a abril. Por outro lado, a principal praga da cultura, o bicudo-do-algodoeiro, esteve sob controle durante o cultivo, de modo que o principal desafio ficou por conta do complexo de lagartas (helicoverpa e spodoptera), e da mancha de ramulária, que deram um pouco mais de trabalho ao produtor, mas que foram controladas sem grandes prejuízos.

Segundo a Conab, outras regiões produtoras de algodão também iniciaram a colheita. Veja na tabela a seguir os detalhes por estado até o dia 18 de junho e o comparativo com o mesmo período na safra 2020/21. Note que o estado de Minas Gerais lidera o processo de colheita, com 12% das lavouras colhidas, seguido pelos cotonicultores dos estados da Bahia e Mato Grosso do Sul. Em contrapartida, os estados de Goiás e Mato Grosso estão iniciando o processo, com poucas lavouras colhidas e outros ainda não começaram, como Mato Grosso e o Maranhão.

Unidade da Federação Semana até:
2021 2022 2022
19/jun 11/jun 18/jun
Goiás 2,0% 1,0% 3,0%
Minas Gerais 12,0% 8,0% 12,0%
Maranhão 2,0% 0,0% 0,0%
Mato Grosso do Sul 2,0% 6,0% 8,0%
Bahia 8,0% 6,6% 9,6%
Mato Grosso 0,9% 0,0% 2,7%
Piauí 0,0% 0,0% 0,0%
7 Estados 4,5% 1,6% 4,2%
Tabela 1. Andamento da colheita do algodão por estado brasileiro da safra 2021/22 e em comparação com o mesmo período na safra 2020/21. Fonte: Conab.

A colheita é um momento crítico para o cotonicultor. Os cuidados tomados nessa etapa refletirão na qualidade final do produto e, consequentemente, no valor obtido na comercialização. Nesse cenário, algumas práticas são indispensáveis para a garantia de fibras com alta qualidade, como o uso de maturadores e desfolhantes.

Os maturadores são usados para promover a abertura uniforme das maçãs e acelerar sua maturação. O produto mais usado como maturador é o Etefon. ingrediente ativo de Impulse.

Já os desfolhantes são aplicados para acelerar e uniformizar a queda das folhas, pois a presença de folhas secas nas plantas de algodão pode prejudicar a qualidade das fibras, comprometendo a qualidade final e a rentabilidade do cotonicultor.

Figura 2. A colheita do algodão é um momento importante, no qual o uso de maturadores e desfolhantes garantem a qualidade das fibras. Fonte: Elevagro.

O uso dessas ferramentas colaboram para a qualidade da fibra, uniformizando a lavoura e promovendo melhores performances das colheitadeiras. Para obter esses benefícios e garantir a qualidade da fibra, a Sumitomo Chemical oferece soluções completas para a maturação e desfolha do algodoeiro.

Confira clicando em: